BLOG

14 outubro de 2022

Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí se apresenta pela primeira vez no Theatro Municipal do Rio.

A Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí se apresentará pela primeira vez no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O concerto gratuito será neste sábado (15) e terá outras orquestras sociais, como Solar Meninos de Luz, Além do Morro, Casa Amarela e Escola de Música da Rocinha. Ingressos podem ser obtidos no site do Theatro: https://theatromunicipalrj.eleventickets.com/#!/home. Cada pessoa pode retirar até quatro ingressos.

O concerto de integração vai marcar o encerramento do projeto “Orquestras Sociais – Cultura e Cidadania”, da Fiocruz em parceria com o Instituto Villa Lobos, que tem apoio da Secretaria Municipal de Cultura – Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura e conta com o patrocínio do Grupo Seres, JSL e S&P Global e Waiver. A gestão cultural é da SPCOC.

O objetivo é o fortalecimento dos projetos socioculturais de formação de orquestra, por meio da estratégia de construção de pontes entre a música orquestral e a sociedade, o ambiente acadêmico e os projetos sociais, entre os graduandos e as diversas realidades locais.

Ao longo do processo, o projeto incorporou várias etapas, como a realização de oficinas ministradas por oito monitores discentes dos cursos de Música da UNIRIO, a realização de cinco visitas ao Instituto Villa Lobos, além da realização de um festival nas dependências da UNIRIO, com três dias de duração, para oferecimento de “master classes” e ensaios para o concerto de integração.

Felix Rosenberg, diretor do Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, da Fiocruz em Petrópolis, ressalta que o concerto vem a constituir um rito na história bem-sucedida da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí. “Primeiro pelo reconhecimento e cooperação de outros projetos, em particular da UNIRIO mas, sobretudo, pelo acerto da Presidência da Fiocruz ao colocar o acesso à arte e cultura musical como instrumento de grande relevância para diminuir as enormes desigualdades sociais e econômicas que existem em nosso país e, em particular, em Petrópolis”, afirma.

Para Sérgio Azra Barrenechea, coordenador artístico do projeto, o concerto de encerramento deste projeto é uma oportunidade não só de congregar todas as forças artísticas presentes desde o início das atividades com os alunos, dos professores, monitores, bolsistas em um único objetivo. “É também uma forma de demonstrar o que somos capazes de realizar juntos: fazer a música tocar o público com emoção”, diz.

Para ele, o ensinamento mais essencial tirado de todo esse processo, que teve seu início no planejamento coletivo envolvendo os cinco projetos participantes, foi a colaboração. “Tivemos o empenho de muitas pessoas desde os aspectos de produção, como busca de patrocínio, até a escolha do lindo repertório do concerto. Só temos que agradecer a todos que puderam tornar tudo isso possível, pois ao presenciar a alegria e entusiasmo dos envolvidos nos ensaios de preparação, nos deu a sensação de dever cumprido, de saber que estamos no caminho certo, que é trazer para o âmago da universidade os anseios e demandas da sociedade, fazendo essa ponte com os projetos sociais e apontando os caminhos para os mais novos”, conclui Sérgio.

 

Compartilhe

ÚLTIMAS NOVIDADES